Pesquisar este blog

26 de junho de 2009

QUANDO EU DANÇAVA...



Dizem uns infelizes por aí que é hipocrisia chorar pela morte do Cara.

Coitados. Ele não entenderam nada.

Eu tinha uns óculos paralelos aos joelhos e uma magreza de dar dó, e não sabia muito bem como combinar isso até que ouvi o Michael Jackson.
Era incrível a força daquela música que eu não entendia uma palavra, pois meu inglês ainda tava no girl, boy, cat e dog quando ele me abarrotou de frases inteirinhas que eu não tinha a menor idéia do que diziam. Mas quem queria saber?
Esse negócio de entender letra de música era coisa de adulto, e eu mal saíra do atirei o pau no gato - quer letra mais absurda que essa? -, cruazinha e com o ouvido virgem e puro prá escolher só o que eu gostasse de verdade.
Dele eu gostava!

Com ele eu dançava. (Graças à dança da vassoura, claro. Aquela em que a gente entregava a vassoura prá outra menina que já tinha seu parzinho no salão, enquanto ela ficava com a vassoura e escolhia outra dupla prá separar)

Tocava 'll be there', e eu bem lá - essa é minha tradução. No meio da festa, dançando à dois palmos do chão de tanto êxtase, até chegar a vassoura de novo.

Depois dominei o mundo fácil. Aprendi a andar prá trás e era a melhor da minha área. Nem precisava mais de vassoura. Nem precisava dançar coladinho. E hoje olhando prá trás esse domínio todo não era só meu, mas de todo mundo. Fantasia compartilhada por quem quisesse e tivesse sensibilidade. Todo mundo era meio Michael Jackson.

Lembro de dúzias de meninos com casacos vermelhos. Éramos reis. Éramos os tais. Éramos os caras.

Era um jeito meio Michael Jackson de ser, recusando-se inteiramente a entrar nesse mundo de abusos e dominações adultas.

Era só deixar a música entrar. The Music in Me. E cantar do jeito que a gente entendesse, do jeito que a gente soubesse, do jeito que a gente quisesse. E dançar no meio da rua, no meio de qualquer lugar. Já que o mundo era o palco.
Por isso que os infelizes não alcançam nossa dor. Eles nada têm a perder. Eles não sabem do medo da morte que temos. Medo dessa nossa parte boa, desse NOSSO Michael Jackson lá de dentro desaparecer e a gente nunca mais conseguir dançar de novo.

Eu sou a Soraya Magalhães e vim declarar meu amor.
http://pravariar2.blogspot.com/











Share on :

9 comentários/comente ...:

Igor disse...

Quanto tempo que não entro no Jazzman!
Quanto ao Michael, nunca imaginei que fosse morrer, era tão contemporâneo a nós, tinha uma certa onipresença, não?

Paulo disse...

Que coisa linda, So.

Sempre tivemos uma relação íntima com o MJ, tenho certeza.

Eu sempre gostei do lado B, como se houvesse algo no MJ que não fosse realmente mainstream, mas Dirty Diana, Give in to me, Stranger is Moscow, speed demon.

Um abraço a todos que sofreram e/ou ficaram baqueados com a perda do Rei do Pop. E tanto "rei" aí.. que eu nem me importo, logo o Michael.

Rodrigo Bueno disse...

Antes de buscarmos as respostas, aquelas milenares, quem somos, pra onde vamos, todo mundo que tem olho, nariz e boca PRECISA pertencer a alguma coisa. Seja a uma família, tribo ou instituição, todo mundo precisa ser aceito, querido e amado. Mas sempre tem aqueles que não sentam na cadeira quando a música pára, fica de pé, com cara de mané e saí da roda. E a roda viva sempre continua.
Michael não está em torno de nada disso. Ele proposrciona uma outra espécie de pertencimento, uma outra família, muito mais afetiva e colorida. E recebe qualquer um que tenha esse deslocamento existencial e tudo mais.

Salsa disse...

Conheci Michael quando criança (êpa, não no sentido bíblico do termo - que fique claro), ainda no final do anos sesenta e início dos anos setenta. Na antiga tv tupi passava um desenho intitulado jackson five. Eu curtia a doidado o balanço do grupo. A b c, do re mi e coisa e tal. Mas ficou por aí. Jesus menino que se cuide.

indavao disse...

hi.. just dropping by here... have a nice day! http://kantahanan.blogspot.com

Carla Teixeira disse...

Adorei o blog.

Simone Campos disse...

Muito bom o blog.

Silas Mello disse...

Adoro ele.

Katriny disse...

Muito bom o blog. Parabéns!!!

 
© Copyright JazzMan! 2011 - Some rights reserved | Powered by Blogger.com.
Template Design by Herdiansyah Hamzah | Published by Borneo Templates and Theme4all