Pesquisar este blog

18 de agosto de 2009

Sétima edição do Jazz Festival Brasil será realizada em agosto

Maior evento do gênero do País comemora 100 apresentações e homenageia o jazzista Benny Goodman. Os shows acontecerão em Belo Horizonte, Recife, Rio de Janeiro e São Paulo, com músicos nacionais e internacionais



Belo Horizonte, julho de 2009 – O Jazz Festival Brasil chega à sétima edição trazendo, mais uma vez, grandes nomes nacionais e internacionais para uma série de shows, a serem realizados no período de 20 a 30 de agosto. No roteiro estão as cidades de Belo Horizonte, Recife, Rio de Janeiro e São Paulo. Considerado o maior festival de jazz do País, o evento comemora, neste ano, 100 apresentações, com homenagem ao músico norte-americano Benny Goodman, o “Rei do swing”, que completaria cem anos em 2009.

Produzido pela Soltz Cultural/Cultura Livre, o Jazz Festival Brasil 2009 traz aos palcos brasileiros expoentes internacionais do gênero: Bob Wilber (EUA); Dany Doriz & The Cave Huchette Quartet (França); Gangbé Brass Band (África); Kristine Mills (EUA); Gunhild Carling & Band (Suécia) e Swiss Dixie College Band (Suiça). A grande atração nacional é o grupo do escritor Luis Fernando Veríssimo: Jazz 6. Ao contrário do que muitos imaginam, a música surgiu na vida de Veríssimo muito antes da literatura.

A programação fica a cargo da Soltz, juntamente com o diretor artístico do evento, Nik Payton, saxofonista respeitado no Brasil e no exterior, que hoje reside em BH. Com curadoria fiel ao jazz ”de raiz”, das décadas de 1920 a 1950, a escolha das bandas é guiada por um denominador comum: a excelência. É por isso que, durante sua trajetória, o festival já trouxe ao Brasil músicos como Duke Ellington Orchestra, Leroy Jones Quintet, Judy Carmichael, Bob Wilber, Ray Gelato Giants, Irakli and The Louis Ambassadors, Gunhild Carlind, Randy Sadke, Porteña Jazz Band, entre outros.

A pianista norte-americana Judy Carmichael, que participou do evento em 2007, comenta que todas as pessoas envolvidas com o Jazz Festival Brasil amam música e se importam, realmente, com a disseminação da cultura do jazz. “O evento proporciona uma maravilhosa experiência para o público e para os músicos. Todos o aproveitam ao máximo.” O saxofonista Michael Hashim lembra que participou dos maiores festivais de jazz do mundo como Montreux, New Orleans Jazz and Heritage, Newpot in New York, entre outros, e, por isso, se considera apto a afirmar que o Jazz Festival Brasil está entre eles. “Em termos de organização, qualidade dos equipamentos e seleção dos músicos, o evento conquistou seu espaço entre os mais excitantes tours de jazz”, afirma.

Música de todos

Leonardo Soltz, empresário e produtor do evento, explica que a proposta do Jazz Festival Brasil é disseminar o gênero no País. “Trata-se de um estilo musical que influenciou e influencia muitas gerações. Notamos que no Brasil existe uma inibição das pessoas em relação ao jazz, que é visto como um produto elitizado. Para desmistificar essa percepção, criamos um evento para romper com a falsa impressão de que o jazz é uma música para poucos, trazendo mestres da música internacional para se apresentarem no País com shows a preços acessíveis”, conta.

Exemplo da proposta do evento é a sessão gratuita no Grande Teatro do Palácio das Artes. A apresentação será realizada em um domingo, às 11h da manhã, simultaneamente à Feira de Artesanato da Afonso Pena.

O Jazz Festival Brasil também cumpre seu papel social. Desde a primeira edição, o evento convida crianças e idosos carentes para assistir às apresentações. “Com essa ação, mostramos aos jovens um caminho que eles poderão seguir futuramente e contribuímos com a preservação da dignidade dos idosos. Eles assistem aos shows, visitam o camarim para conversar com os artistas e se emocionam com as apresentações”, diz Soltz. Até a sexta edição, a produção já levou mil convidados, somando o público infantil e o idoso.

Ano da França no Brasil

Por meio da participação de Dany Doriz & The Cave Huchette Quartet e Gangbé Brass Band, o Jazz Festival Brasil integra a programação do Ano da França no Brasil, que tem como objetivo apresentar ao público a rica variedade cultural da França contemporânea. De acordo com Sylvie Debs, adida de cooperação e de ação cultural da França em Belo Horizonte, a música, seja clássica ou folclórica, mexe com a emoção das pessoas. “A França é um país que mostra a força das misturas culturais. E trazendo uma banda que reúne instrumentos de sopro com tambores, como é o caso da Gangbé, podemos apresentar ao público a França mestiça, a França africana. É uma oportunidade de fugir dos padrões clássicos e apresentar o novo. Além disso, o festival vai aproximar o público do jazz, gênero muito querido na França, que realiza importantes festivais como o de Nice e de Marciac”, conta.

Expoentes do jazz

Bob Wilber – EUA

Uma das estrelas da edição 2009 é Bob Wilber, músico norte-americano de 81 anos, que traz na bagagem a experiência de ter tocado com as maiores bandas da “era de ouro” desse estilo musical. É considerado um dos melhores do mundo no clarinete e no saxofone. Bob virá ao Brasil acompanhado de sua esposa, a cantora Joanne Pug Horton, e do músico Dany Doriz, com os quais vai tocar o repertório consagrado por Benny Goodman – com quem já se apresentou.

O artista nasceu em Nova Iorque e estudou com o lendário Sydney Bechet. Entre uma apresentação e outra, foi diretor musical da Smithsonian Jazz Repertory Ensemble e realizou muitas trilhas sonoras para o cinema. A mais famosa foi a recriação da música de Duke Ellington para o filme The Cotton Club, produção que lhe rendeu um Grammy. Nos últimos anos, desenvolve parceria com o Wynton Marsalis e a Lincoln Center Jazz Orchestra.

Admirador da bossa-nova, Wilber tocou no Brasil na década de 1970, em São Paulo e no Rio de Janeiro. Em 2005, a convite de Nick Payton, seu ex-aluno, integrou a programação do Jazz Festival Brasil com apresentações em Belo Horizonte e Brasília.

Dany Doriz & The Cave Huchette Quartet – França

Considerado o ”filho espiritual” de Lionel Hampton, uma das realezas do jazz, Dany Doriz chega ao Brasil com uma formação que reúne os melhores músicos de Paris: Philippe Duchemin (piano), Daniel Haider (violão), Jean-Luc Arramy (contrabaixo) e Guillaume Nouaux (bateria).

Diretor musical do reconhecido clube parisiense Caveau de la Huchette, onde regularmente se apresenta com casa lotada, Dany começou a estudar música clássica tocando piano e saxofone. Aos 16 anos, iniciou-se no vibrafone, hoje sua especialidade.

Apoiado por dois renomados músicos, Stephane Grappelli e Memphis Slim, Dany fez uma turnê na França com muita aclamação. Em 1975, ele conheceu Lionel Hampton. Os músicos inciaram uma grande amizade, que resultou em várias turnês europeias de Dany com a banda de Hampton. Entre os grandes nomes com os quais já se apresentou estão Bill Coleman, Ray Bryant, Cat Anderson, Milt Buckner, Hal Singer, Illinois Jacquet, Al Grey, Harry “Sweets” Edison, Benny Bailey, Arnett Cobb, Clark Terry, Red Holloway, Buster Cooper, Butch Miles, Wild Bill Davis e Eddie Jones.

Kristine Mills - EUA

Vocalista da Duke Ellington Orchestra, Kristine Mills chega ao Jazz Festival Brasil para apresentar ao público o motivo de ter conquistado o título de “Melhor vocalista feminina do Houston Press Music Awards 2009”. Descrita como uma artista que nasceu para cantar, ela tem impressionado plateias e críticos de música internacionais com seu repertório variado, valentia vocal e domínio de diversas línguas, desde que começou sua carreira profissional, no início dos anos 90. Desde então, Kristine vem se destacando em diversas performances de jazz.

A cantora esteve no Brasil em 2007 na turnê da Duke Ellington Orchestra com shows no Rio de Janeiro e São Paulo. Ela também subiu aos palcos com seletos membros da orquestra durante a 50ª Celebração do Jubileu, em Chicago.

A Duke Ellington Orchestra foi fundada por Edward Kennedy Ellington, considerado por muitos o maior compositor americano de todos os tempos. Desde os anos 20, quando se consagrou no Cotton Club, em Nova Iorque, até a década de 70, Duke registrou mais de 1500 composições e se tornou um modelo a se seguir. Hoje o legado do maestro e mestre Duke Ellington é levado adiante pelo seu neto, Paul Mercer Ellington, saxofonista e bandleader da The Duke Ellington Orchestra, que carrega consigo a voz de Kristine Mills.

Curiosidade: em maio de 2009 a cantora gravou o CD Bossanovafied, uma coletânea de suas canções originais, arranjadas no clássico estilo Bossa Nova, no Rio de Janeiro.

Gangbé Brass Band – África/França

Em 1994, oito jovens músicos de jazz de Cotonou-Benin, ex-colônia francesa localizada no oeste da África, se juntaram para criar uma banda que misturasse o jazz com a música tradicional de Benin, dando origem ao grupo Gangbé Brass Band. Essa será a estreia da banda no Brasil, trazendo para o público uma música diferente, mas no ritmo que teve sua origem junto aos trabalhadores negros.

“Gangbé” significa ”som de metal” em fon, umas das línguas de Benin, e faz referência tanto aos instrumentos de sopro (saxes, trompetes, trombones) como às percussões utilizadas pelo grupo. Como Benin faz fronteira com a Nigéria, sua música herda não somente a polifonia das fanfarras e do jazz, como também as mesmas fontes musicais que alimentaram o afrobeat e os ritmos religiosos vodu. O prazer da banda está em animar a plateia e não deixar ninguém parado.

Em 1999, a Gangbé Brass Band começou uma turnê pelos quatro cantos do mundo e, depois de vários títulos internacionais que premiaram a peculiaridade de seu jazz, acertou com o governo da França a participação no Ano da França no Brasil, na turnê do Jazz Festival Brasil em 2009.

Gunhild Carling & Band - Suécia

A multi-instrumentista sueca Gunhild Carling tem no jazz sua grande paixão. Ela começou a fazer apresentações ainda criança em festivais e programas de TV com a Carling Family, banda de jazzistas composta por seus pais e irmãos, com a qual gravou dois álbuns.

O trombone e o trompete são os principais instrumentos da artista, mas ela também toca flauta, gaita, piano e harpa. Sua sonoridade flerta com o blues quando introduz o bagpipe ou a harmônica (gaita) à sua música. Carling leva a plateia ao delírio quando toca, simultaneamente, três trompetes. A inspiração vem do universo das vaudevilles da década de 1920, e as apresentações são bem humoradas, cheias de charme e energia, além de terem muita interação com o público.

Carling já se apresentou pelo mundo ao lado de nomes como Count Basie Orchestra, Harlem Jazz & Blues Band, Toots Thieleman e Papa Bue and his Viking Jazzband.


Luis Fernando Veríssimo e Jazz 6 - Brasil

Criado em 1995, por iniciativa do contrabaixista Jorge Gerhardt, o grupo Jazz 6 é o menor sexteto do mundo, com apenas cinco integrantes. Quatro deles, músicos profissionais. O quinto integrante é nada mais do que Luis Fernando Veríssimo, um dos escritores mais queridos do País.

Mais conhecido por suas crônicas e textos de humor publicados diariamente em vários jornais brasileiros, Veríssimo é também cartunista e tradutor, além de roteirista de televisão, dramaturgo e romancista. Nascido e criado em Porto Alegre, Luis Fernando viveu parte de sua infância e adolescência nos Estados Unidos, entre as cidades de São Francisco, Los Angeles e Washington. No período em que viveu na capital americana, Veríssimo desenvolveu sua paixão pelo jazz. Começou a estudar saxofone e, em frequentes viagens a Nova Iorque, assistiu a espetáculos dos maiores músicos da época, inclusive Charlie Parker e Dizzy Gillespie.

Anos depois, a partir do gosto comum de Veríssimo e Gerhardt pelo jazz e pela bossa-nova, surgiu a ideia de formar um conjunto. Eles compartilham sua emoção com Luiz Fernando Rocha no trompete e flugelhorn; Adão Pinheiro no piano; Gilberto Lima na bateria. E surpreendem pelo improviso e pela desenvoltura ao mesclar o estilo jazzístico ao balanço brasileiro.

O grupo acredita que o jazz norte-americano e a música brasileira dos anos 1960 são gêneros parecidos e a integração entre os dois resulta em “uma mistura de muito bom tom”. Veríssimo aprendeu a gostar do jazz quando, aos 16 anos, foi morar com os pais em Washington. Uma vez no país do estilo nascido em Nova Orleands, queria mesmo era aprender a tocar trompete como o ídolo Louis Armstrong. Mas acabou caindo no sax alto, porque na escola em que se matriculou só havia um instrumento para empréstimo. Como nas letras, a música também “foi por acaso”.

Benny Goodman: Rei do Swing

Homenageado na sétima edição do Jazz Festival Brasil, Benny Goodman completaria 100 anos em 2009. Trata-se de um dos mais importantes jazzistas da história, que influenciou gerações com seu jeito singular de tocar. Além de “Rei do Swing”, era também conhecido como "Patriarca da Clarineta", "O Professor" e "Mestre do Swing".

Sua história com o jazz começou com 10 anos: seu pai o inscreveu em aulas de música na sua cidade natal, Chicago (EUA). Um ano depois, ingressou na banda de garotos da casa de caridade de Janes Addams, onde recebeu lições do diretor James Sylvester. Foi aí que Benny começou a ter aulas de clarineta com o professor Franz Schoepp. Menino prodígio, fez a primeira apresentação aos 12 anos, no Teatro Central Park de Chicago, e logo passou a tocar com músicos adultos. Aos 16 anos, juntou-se à banda do baterista Ben Pollack, fundada dois anos antes, e com ela fez seu primeiro disco, A Jazz Holiday.

No início dos anos 1930, passou a participar de gravações com diversos grupos de jazz até poder formar a própria orquestra em 1934, primeiro grupo do gênero composto por músicos brancos e negros. Em janeiro de 1938, Benny Goodman e seu grupo foram consagrados em um histórico concerto realizado e gravado no Carnegie Hall de Nova Iorque. Daí sua clarineta e orquestra começaram a ser requisitadas pelo cinema, com participação em filmes como Folia a Bordo (1937), Noivas de Tio Sam (1943), Música, Maestro (1946), entre outros. Benny Goodman é considerado um dos responsáveis por romper preconceitos raciais ao aproximar a música negra de plateias jovens e brancas. Entre seus mais de 30 discos também estão Sing, Sing, Sing; Carnegie Hall Concert; Benny in Brussels; Bill Dodge All-Star Recording.

Jazz Festival Brasil

Idealizado pela Soltz Cultural/Cultura Livre, o Jazz Festival Brasil tem como objetivo disseminar o jazz no País, mostrando que o gênero pode ser apreciado por todos os públicos. O projeto nasceu em Belo Horizonte, no ano de 2001, como o nome Jazz Gerais. Já na primeira edição foi sucesso de público e crítica. Em 2005, por meio das Leis de Incentivo à Cultura Estadual e Federal, ultrapassou as fronteiras de Minas e conquistou os palcos de Brasília, passando a chamar-se Jazz Festival Brasil. No ano seguinte, mais quatro cidades entraram no roteiro: Curitiba, Recife, Rio de Janeiro e São Paulo, comprovando que o jazz é um estilo apreciado em todo o Brasil. Com tamanho sucesso, em 2007, o Jazz Festival Brasil seguiu também para Aracaju, Belém, Tiradentes e Araxá.

Os resultados comprovam que a organização conseguiu alcançar seus objetivos. Ao todo, foram mais de 20 atrações internacionais, 100 apresentações, público total de cerca de 30 mil pessoas, além de dez instituições e projetos sociais beneficiados.

Os curadores

Leonardo Soltz

Diretor e presidente da Soltz Cultural/Cultura Livre, é formado em Administração de Empresas e Comércio Exterior, especializou-se em Marketing Educacional, Planejamento Estratégico e Franchising. Pela Fundação João Pinheiro, cursou uma extensão de Altos Estudos, formando-se como Agente Multiplicador de Políticas Públicas do Estado de Minas Gerais.

Atua no setor cultural e de comunicação há mais de 20 anos. Nesse período, idealizou e realizou inúmeros shows de gêneros musicais como choro, MPB, serestas e música sertaneja. Coordenou e produziu eventos e projetos como as mostras internacionais de Miró, Picasso e Gaudí, na galeria do Palácio das Artes, Belo Horizonte; Turma do Cabralzinho, projeto de educação e entretenimento para públicos infantis; esteve à frente do grupo que trabalhou na efeméride dos 50 anos da Bossa Nova no Brasil, Chega de Saudade. Desde 2001 atua como produtor cultural e empresário do Jazz Festival Brasil.

Nik Payton

Nascido na Inglaterra, aos 15 anos tornou-se aluno do grande saxofonista e clarinetista americano Bob Wilber. Aos 16, participou de sua primeira turnê nos Estados Unidos com a banda de Wilber. Formou junto a outros grandes nomes o grupo The Charleston Chasers, um dos mais conhecidos na Europa. Tocou também com o Pasadena Roof Orchestra por mais de 7 anos. Em 2000, Nik foi convidado a excursionar pelo Reino Unido com a Duke Ellington Orchestra, nesta época sob o comando de Paul Mercer Ellington, neto de Duke. Participou como convidado na gravação de trilhas sonoras, entre elas dos filmes brasileiros Olga e Filhos do Vento, ambos a convite de Marcus Vianna. Na Soltz Cultural/Cultura Livre, atua como diretor artístico do Jazz Festival Brasil.

Patrocínio Rio de Janeiro

No Rio de Janeiro, a sétima edição do Jazz Festival Brasil conta com o patrocínio da Oi, Banco BMG, Vilma Alimentos e Fidens.

Serviço
Jazz Festival Brasil
Data: Rio de Janeiro – 24 a 26 de agosto
Horário: 19:30
Teatro SESC Ginástico
Av. Graça Aranha 187
Horário de venda de ingressos ter a dom de 13:00 as 20:00 hs
A partir de 18 de agosto
Preços:
R$ 30,00 inteira
R$ 15,00 meia
Informações: (21) 2226-5219 Produção
Bilheteria: (21) 2279-4027
Programação :

24 de agosto (segunda)- Bob Wilber (EUA) / Dany Doriz (Fra)
25 de agosto (terça) – Jazz 6 (Bra) + Convidados
26 de agosto (quarta) – Kristine Mills (EUA) / Gangbé (Afr)



Link QuebradoLink Quebrado? Link Sem FotoPost Sem Foto?

Share on :

1 comentários/comente ...:

Janaina disse...

Quando é em Sampa?

 
© Copyright JazzMan! 2011 - Some rights reserved | Powered by Blogger.com.
Template Design by Herdiansyah Hamzah | Published by Borneo Templates and Theme4all