Pesquisar este blog

5 de junho de 2010

Rio Das Ostras Jazz e Blues Festival : Segundo Dia

No segundo dia de festival, Armandinho impressionou o público com uma performance virtuosa.

Armandinho. Foto: Fernanda Melonio

Por Leonardo Alcântara e Fernanda Melonio

O segundo dia de shows do Rio Das Ostras Jazz e Blues Festival 2010 foi marcado por performances desafiadoras e imprevisíveis. Mesmo o frio e a chuva que resolveu se instalar sobre a cidade não foram capazes de afastar o público, que lotou as apresentações.

O dia começou com o guitarrista e cantor André Christovam empolgando o público no palco da lotada Lagoa de Iriry. Com um blues envolvente, mesclado com ritmos brasileiros, Christovam celebrou os 20 anos de lançamento do álbum Mandinga, seu primeiro registro solo.

Mais tarde, no palco da Praia da Tartaruga, Joey Calderazzo mostrou porque é um dos maiores pianistas da atualidade. Calderazzo transitou por diversos caminhos para improvisar, desafiando o espectador. Sua música variava com uma fluidez impressionante, trilhando um caminho complexo e imprevisível. Sua velocidade com as teclas era arrebatadora, o que empolgou o público que, mesmo com a chuva, interagiu de maneira calorosa com o pianista.

Costa Azul

O grupo Plataforma C abriu a noite tocando um repertório de clássicos do Cool ao Hard Bop, como Take Five (Dave Brubeck), Cantaloupe Island (Herbie Hancock), além de sandards americanos, como Summertime (Gershwin).

Raul de Souza. Foto: Cezar Fernandes

Depois, foi a vez do trombonista Raul de Souza silenciar a Costa Azul. Com solos de perder o fôlego, Raul parecia que ia tirar faísca de seu trombone. Seu sopro potente, - ora límpido, ora cheio de vibrato - ecoava e hipnotizava o público do festival. Na metade do show veio uma surpresa: Raul apresentou o seu Souzabone, um trombone elétrico, armado em dó, com implemento de 4 válvulas cromáticas que o próprio criou quando morava em Los Angeles. Mal tinha acabado a apresentação, as pessoas aplaudiam de pé a cada investida sua e de seu grupo.

A apresentação de Raul de Souza já valeria a noite, mas Armandinho apareceu para deixá-la mais inesquecível na mente dos entusiastas da boa música. Logo de cara, o baiano começou com um baião totalmente virtuoso, fazendo verdadeiros malabarismos musicais, mostrando uma agilidade incrível com o seu bandolim elétrico. Depois, Armandinho deu vez à sua característica guitarra baiana. Foi uma verdadeira mistura de rock com ritmos brasileiros e inusitadas inovações, como a 'baianificação' da clássica Bolero, de Ravel. Impressionante! Armandinho conseguiu empolgar o público, instaurando um verdadeiro trio elétrico em Rio das Ostras.

Logo depois foi a vez do guitarrista Stanley Jordan que, acompanhado do baixista Dudu Lima e do baterista Ivan "Mamão" Conti (do Azymuth) tornou o clima da bela noite fria mais intimista... Parece que foi apenas um breve descanso para a platéia, pois aos primeiros acordes de "Eleanor Rigby" surge novamente Armandinho para, desta vez, tocar ao lado de Jordan e deixar o público boquiaberto com a fusão desses dois estilos distintos de tocar guitarra.


Link QuebradoLink Quebrado? Link Sem FotoPost Sem Foto?



Share on :

3 comentários/comente ...:

Cristina Loureiro dos Santos disse...

Quem dera estar aí também :)

;**

Fabio disse...

Trombone falou bem só ele que não ... Faltava-lhe a voz. Kkk

Chad disse...

Alguem conhece uma banda chamada Malkia eles tem um myspace achei bem legal, www.myspce.com/musicalched deem um ouvida !

 
© Copyright JazzMan! 2011 - Some rights reserved | Powered by Blogger.com.
Template Design by Herdiansyah Hamzah | Published by Borneo Templates and Theme4all