Pesquisar este blog

1 de junho de 2012

Santos será a capital nacional do jazz de 14 a 17 de junho

Santos Jazz Festival reunirá grandes nomes do gênero. Programação é gratuita e inclui Hermeto Pascoal, Yamandu Costa, Heraldo do Monte entre outros; além dos shows, acontecerão workshops, discotecagem e sorteio de guitarras


Santos, no litoral paulista, hoje, possui eventos relevantes nacionalmente nas áreas de audiovisual, literatura, dança e teatro. Faltava um grande evento para destacar a cidade no cenário musical do país. Com o objetivo de democratizar o acesso à música de qualidade e estabelecer o município como referência no fomento musical, será realizado, de 14 a 17 de junho, o Santos Jazz Festival (http://www.santosjazzfestival.com.br/). Trata-se do primeiro grande festival de jazz do litoral paulista, apoiado pela Lei Rouanet. Serão vinte apresentações, mais oficinas, todas gratuitas, em ruas e boulevares do Centro Histórico, Bolsa Oficial do Café e teatros Coliseu e Guarany.

Para começar com o pé direito, o festival terá como patrono Hermeto Pascoal. Celebrado internacionalmente, o compositor, arranjador e instrumentista de 76 anos fará o show de abertura, ao lado da Orquestra Sinfônica de Santos e da Jazz Big Band, onde apresentará uma canção inédita especialmente para a ocasião: “Do Brasil Para o Mundo”. “Busquei inspiração em minha trajetória: passei minha infância entre as aves, próximo à natureza. Depois, a música me propiciou viajar o mundo e conhecer metrópoles. Música é universal, não importa o país de onde você vem”, comenta.
Na programação, constam outros nomes reconhecidos nacionalmente e fora do Brasil, a exemplo de Yamandu Costa, Heraldo do Monte, Arismar Espírito Santo, André Christovam, Filó Machado e Delicatessen.



Workshops
Durante três dias do evento, acontecerão workshops gratuitos com Hermeto, Arismar Espírito Santo, Michel Leme, Luís do Monte & Mauro Hector, e aula apresentação do Jazz Combo de Tatuí, cidade cujo conservatório é referência nacional. As inscrições são gratuitas e devem ser feitas no site. São 250 vagas para cada encontro.

Para Arismar Espírito Santo, o workshop marca, antes de tudo, seu reencontro com a cidade onde nasceu e partiu aos 19 anos, rumo a São Paulo. O músico, inicialmente baixista, promete trazer alguns instrumentos, deixá-los no chão, para que os presentes possam, através do material, descobrir como as canções surgiram. “O workshop será prazeroso tanto para quem tem experiência musical, como para quem não tem. A palavra ‘tocar’ significa algo muito sério. Desde o toque a uma pessoa querida, até o instrumento. E vamos, juntos, no dia 15, entender mais desse significado não somente pela técnica, mas pela vivência de cada um”, afirma.
Já o veterano Hermeto Pascoal diz que, devido o encontro acontecer após sua apresentação, possibilitará ao público fazer perguntas sobre as músicas tocadas. “Esperamos que a turma compareça para um bate-papo, na acepção do termo. Vamos conversar, trocar ideias, tirar dúvidas. Um encontro assim é diferente de um show. É a chance das pessoas questionarem. É um prazer muito grande participar desse evento”, afirma o multiinstrumentista, que preparou uma canção inédita para o Santos Jazz Festival: “Do Brasil Para o Mundo”, com cerca de 20 minutos.
“Será uma troca de ideias. As expectativas são as melhores. Vou falar sobre a produção independente, do papel do artista no mundo atual, que sofreu uma inversão de valores. Enfim, faremos um bate-papo para todas as pessoas interessadas em música, tenham elas experiência instrumental ou não”, diz Michel Leme.
A expectativa dos músicos

Um dos destaques da programação é Yamandu Costa. No festival, o celebrado músico gaúcho se apresentará com seu trio e promete levar ao público o melhor do Choro: de composições próprias a clássicos do gênero. O show será o grande encerramento da programação, dia 17, 20h, no Teatro Coliseu. A abertura da noite musical ficará a cargo do flautista, clarinetista, compositor, arranjador e maestro Roberto Sion, que fará um pocket show.

“Fizemos esse show no Museu do Louvre, em Paris, ano passado, e fomos muito bem recebidos. Para o Santos Jazz Festival, vamos reunir momentos da minha obra e o lado tradicional do Choro. Temos uma nova suíte, e devemos apresentar dois movimentos dela, pelo menos”, diz Yamandu.

Trata-se do retorno de Yamandu à cidade, a qual guarda com carinho. “Gosto muito de Santos. Lembro de um show que fiz no Teatro Municipal, em um dia que estava com febre alta, muito mal. Mas tudo ocorreu bem e o público foi maravilhoso”, afirma.

Outro destaque é a banda gaúcha Delicatessen, cujo primeiro CD, “Jazz + Bossa”, foi dos mais celebrados da música independente brasileira dos últimos anos. Em 2009, o grupo – formado por Ana Krüger (vocal), Carlos Badia (violão), Nico Bueno (baixo) e Mano Gomes (bateria) - recebeu o Prêmio da Música Brasileira e voltou a ser indicado em 2012, pelo mais recente trabalho: o álbum “Goodnight Kiss”. Na apresentação do dia 16 de junho, 21h, no palco da Rua XV, no Centro Histórico da cidade, o quarteto apresentará, pela primeira vez no estado de São Paulo, as faixas do recente disco, e promete tocar faixas que sequer foram gravadas.

“Ficamos muito felizes com o convite. Junho é uma época em que surgem novos festivais, mas o Santos Jazz Festival dá a largada com uma força impressionante, devido à grande qualidade de sua programação”, afirma o violonista Carlos Badia. “Apesar de encararem nosso repertório como algo intimista, daremos uma dinâmica mais forte no show, que será ao ar livre”, conclui.

“Vamos tocar várias músicas novas do último disco. Esperamos que o público goste”, diz a vocalista Ana Krüger.


Expectativas dos realizadores
“É importantíssimo para Santos sua inserção no cenário da música instrumental e jazzística brasileira. O intercâmbio artístico/cultural que o Santos Jazz Festival irá proporcionar trará excelentes frutos, tanto na formação de plateia para este tipo de espetáculo, como também para nossos próprios instrumentistas, que trocarão experiências com talentos do porte de Hermeto Pascoal e Yamandú Costa, além de terem seus trabalhos apreciados em larga escala, fato que somente um festival como este pode propiciar”, afirma Carlos Pinto, Secretário de Cultura de Santos.
“O jazz é um conceito de música de qualidade, não somente o jazz puro, mas a música instrumental, vocal, ritmos que improvisam e que valorizam o músico. Várias cidades do Brasil já promovem seus festivais de jazz há muitos anos, como Ouro Preto, Belo Horizonte, Rio das Ostras, Paraty, Guaramiranga (Ceará), São Paulo.. Chegou a vez de Santos, que sempre foi um celeiro artístico. Queremos valorizar em primeiro lugar, sempre, o músico brasileiro”, ressalta Denise Covas, diretora-executiva do festival. 
Segundo Jamir Lopes, diretor de produção do evento, “O Santos Jazz Festival nasce com a missão de democratizar o acesso à música de qualidade, e o intercâmbio artístico entre os músicos e estudantes  da região com artistas consagrados nacional e internacionalmente”.
Incentivo ao Turismo
Além de valorizar a cultura e promover o encontro entre músicos da Baixada e outros estados, aproximando-os do público, o Santos Jazz Festival também beneficiará o setor turístico. “A cidade vive um momento positivo, graças ao Pré-Sal e à efervescência do meio imobiliário. Um festival de música dessa proporção deverá atrair pessoas da capital, do interior, das outras cidades do litoral e outros estados”, explica Marcelo Fachada, Secretário de Turismo de Santos.
“No centro histórico de Santos encontramos o cenário perfeito para colocar essa ideia em marcha. Vamos povoar os boulevares, ruas centenárias, e também os teatros Coliseu e Guarany e a Bolsa Oficial do Café, de pessoas dispostas a compor, com um time de músicos de primeira linha, uma festa de ritmo, vibração e poesia”, celebram os organizadores.

Discotecagem
Para esquentar o público durante os quatro dias, o evento contará com a participação dos DJs da Futuráfrica: Lufer, Dr. Caiaffo e Wagner Parra, que comandarão as pick-ups entre os shows do palco na Rua XV. Eles prometem apresentar a mistura de sons de boa qualidade que virou marca registrada da Vitrolada, atualmente uma das principais festas da noite na Baixada.
Já no dia 16, no Antonina Bar (rua XV de Novembro, 49, Centro), a partir das 23h, acontecerá a festa do festival, com o baile AfroJazzLatino, novamente com os três DJs e a possível intervenção de músicos do festival. Nesse dia, o set list mesclará os diversos ritmos que namoram o jazz: da salsa ao samba. Em breve, serão divulgados valor da entrada da festa e outros detalhes.
Guitarras

Além disso tudo, haverá o sorteio de seis guitarras personalizadas Eagle EM&T. Para concorrer basta, durante o evento, preencher a ficha de inscrição que ficará disponibilizada nas portas dos teatros Guarany e Coliseu, e da Bolsa do Café.

Programação completa:
Abertura do festival: QUINTA (14/06)
Teatro Coliseu:
21h - Orquestra Sinfônica Municipal, Hermeto Pascoal e Jazz Big Band

SEXTA (15/06):
Teatro Guarany
10h – Workshop com Arismar do Espírito Santo
15h – Workshop com Hermeto Pascoal

A partir das 18hs
Rua XV

Família Gordon (Dave, Izzy e Tony Gordon)
Bocato, Hildebrando Brasil e Quarteto Simonian
Kika Willcox e Convidados
Mauro Hector Trio
Arismar do Espírito Santo & Banda


Palco Bolsa do Café:
12h - Mauricio Fernandes Trio & Débora Tarquínio
17h - Trio Cor das Cordas

SÁBADO (16/06)
Teatro Guarany
11h – Workshop com Michel Leme
15h - Mauro Hector e Luiz do Monte (filho de Heraldo do Monte, um dos maiores guitarristas do mundo)

Rua XV
Babi Mendes e Banda
Filó Machado Quarteto
Delicatessen – jazz e bossa (RS)
Heraldo do Monte e Luiz do Monte
André Christovam - blues

Palco Bolsa do Café
15h - Alexandre Birkett Trio
17h - Robson Nogueira Trio & Celso Lago        


DOMINGO (17/06)
Teatro Guarany
11h – Aula apresentação do Jazz Combo de Tatuí*
* Tatuí tem um conservatório que é referência musical tanto no jazz como no choro

Palco Bolsa do Café:
13h   Sambália Trio
15h - John Berman & Choro in jazz (EUA)

Encerramento

Teatro Coliseu
20h - Roberto Sion
       - Yamandu Costa Trio

O festival é patrocinado pela Vale Fertilizantes, através da Lei Rouanet. Tem o apoio  do Governo do Estado de São Paulo, da Escola de Música &Tecnologia (EM&T), do Senac e da Odebrecht Realizações Imobiliárias. Além do apoio institucional  do Museu do Café e do Santos e Região Convention & Visitors Bureau. A realização do Santos Jazz Festival é da DC Produções, GPA Cultural e da Associação dos Artistas. A correalização é da Prefeitura de Santos e a Produção Cultural de Jamir Lopes.

Mais informações em www.santosjazzfestival.com.br.

O Santos Jazz Festival também está nas redes sociais:


Link QuebradoLink Quebrado? Link Sem FotoPost Sem Foto?

Share on :

0 comentários/comente ...:

 
© Copyright JazzMan! 2011 - Some rights reserved | Powered by Blogger.com.
Template Design by Herdiansyah Hamzah | Published by Borneo Templates and Theme4all